Mais instrumentalizações de princípios

O racismo é horrível, toda a gente sabe. E o racismo positivo, i.e. o uso da “raça” ou da cor de pele para obter efeitos positivos (como se faz nesta peça do Público acerca da “raça” de António Costa) será o quê? António Costa é um dos mais importantes políticos portugueses. Já foi ministro. Já foi eleito duas vezes presidente da câmara de Lisboa. Não é um jovem indiano que agora comece carreira numa sociedade profundamente racista e hostil. Nunca a sua origem indiana foi obstáculo para esta carreira bem sucedida. Quem não é racista simplesmente ignora a questão, porque ela não é relevante para absolutamente nada.


Instrumentalizar princípios

A semana passada já estava tudo condenado com os Vistos Gold, e ainda faltavam os submarinos do Portas, assim como a Casa da Coelha e o BPN do Cavaco. Esta semana já é tudo uma arbitrariedade policial e judicial. O que é importante já não é saber se foi ou não cometido um crime. É a brutalidade da justiça. O uso instrumental de princípios fundamentais é uma das mais graves formas de degradação intelectual e civilizacional. Depois dizem que o regime está em perigo. Com protaganistas destes não admira.