A variável

São histórias da piigilândia: o ministro das Finanças irlandês está “very confident” de que a Irlanda regressará aos mercados para o ano. Pois, mas repare-se porquê: “if we get a deal on the [bank debt] we will access money [on international bond markets] at a much lower interest rate. That is the variable.” My dearest pal: se é essa a variável, se a condição para regressar aos mercados é a UE pagar a dívida bancária, então também nós fazemos a festa por muito menos, também nós somos uma maravilha de ajustamento. O problema? O problema é exactamente esse: é que essa é a variável.


2 Comments on “A variável”

  1. Já deixei de perceber economês há tempo. Agora só percebo crisês.

  2. gbtaveira says:

    Seria bom que o nosso problema fosse a banca (leia-se empréstimos bancários ao sector privado, tal como na Irlanda). Mesmo que eliminassemos essa dívida – ou a UE/Troika o fizesse por nós – continuavamos com uma dívida pública tremenda. E com um déficit crónico estrutural resultado de Estado Social. Ou seja, ao contrário da Irlanda estariamos muito longe de poder voltar a aceder aso mercados.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s